agosto 30, 2016

botão da saudade

Hoje tirei da gaveta, a blusa que vesti na última vez que te vi.
Florida, como eu estava naquela dia.
Ela se manteve, eu não.
Sinto que meu sorriso se apaga, minha alegria anda lentamente, meus sonhares noturnos são rasos e facilmente os esqueço, enquanto os dias claramente me gritam a saudade de você.
Sorri com o canto da boca, quase um prenúncio de choro, e cheirei a blusa como se quisesse extrair dela, o perfume seu ou a memória mais acesa de cada um dos minutos que tivemos.
(sim, eu não a levei à lavanderia. Tolamente acreditei que assim poderia reter algo mais de você)
Decidi vesti-la e assim dar um destino a  esta loucura inteira que é amar você.
Os botões traíram minha calma secular.
Olha onde você foi se guardar para este momento!
Lembro de nosso reflexo no espelho. 
Você me abraçou por trás e eu tentei reter a imagem.
Num carinho quase derradeiro, você me afastou os cabelos, beijou minha nuca, e disse que abotoaria minha blusa.
Um botão fora da casa.
Você me deixou um recado.
Sem você eu me sinto que nem aquele botão: fora de casa.
Pois amar você, é estar voltando pra onde nunca deveria ter saído. 
Estar ao seu lado, definitivamente é estar segura, é não tomar chuva, é não sentir falta de nada, é sentir completude, é não ter medo, é estar viva. 
Estar com você é ser muito feliz.

Nenhum comentário: