janeiro 07, 2011

Desasossego de Hoje

"Se escrevo o que sinto é porque assim diminuo a febre de sentir. 
O que confesso não tem importância, pois nada tem importância. Faço paisagens com o que sinto (...) 
Ah, mas como eu desejaria lançar ao menos numa alma alguma coisa de veneno, de desassossego e de inquietação. Isso consolar-me-ia um pouco da nulidade de ação em que vivo. 
Perverter seria o fim da minha vida. 
Mas vibra alguma alma com as minhas palavras? 
Ouve-as alguém que não só eu?" 

(Livro do Desassossego - Bernardo Soares - Fernando Pessoa) 

7 comentários:

Rosinha disse...

Sabe sempre bem Fernando Pessoa...

Djabal disse...

Não sei já contei que ele é o meu livro de cabeceira, melhor, livro do lado. Pois está sempre ao meu lado.
Onde quer que eu esteja o levo comigo. (Está aqui agora, olhando para você,e para mim, de dentro da capa de couro que mandei fazer não se estragar.)
Leio e releio sempre. Dá muita paz na alma. Faz-nos compreender o incompreensível.
E sem que o Bernardo soubesse, duas almas vibram no mesmo tempo que a dele vibrava. Todo o trabalho de um escritor já pagou a pena. Beijos e toda aquela coisa. (rsrsrsrs)

M. disse...

Diz lá o que sentes...

Por palavras tuas!

Lady Cronopio disse...

Rosinha, Pessoa de fato, nunca é excesso...
Grata pela visita.
Beijos

Lady Cronopio disse...

Djabal!
Mais um ponto no placar das semelhanças. Mora na minha cabeceira, este amigo (deixou de ser livro faz tempo...)
Grande beijo e toda coisa aquela.

Lady Cronopio disse...

M!
Tenho dito, mas é tão difícil resistir aos acertos do Pessoa...
Seu sorriso ilumina isto aqui.
Beijos

DJ Ricardinho disse...

muito legal seu blog. passa no meu!!!?!