setembro 02, 2010

Sylvia, Forever



Sei o que há no fundo, ela diz.
Conheço com minha própria raiz.
Era o que você temia.Eu não: já estive lá.
.É o mar que você ouve em mim,
Suas frustrações?
Ou a voz do vazio, essa é a sua loucura?
.O amor é uma sombra.
Como você chora e mente por ele.
Ouça: estes são seus cascos; fugiram, como cavalos.
.
Vou galopar a noite inteira
Até que sua cabeça vire pedra, seu travesseiro vire turfa,
Ecoando, ecoando.
.Ou devo te trazer o borbulhar das poções?
Isso agora é chuva, esse silêncio imenso.
E este é seu fruto: branco-metálico, como arsênico.
.Sofri a atrocidade dos poentes.
Queimada até as raízes
Meus filamentos ardem e ficam, emaranhado de arames.
.Meus estilhaços se espalham em centelhas.
Um vento violento assim
Não suporta obstáculos: preciso gritar.
.A lua, também, não tem pena de mim: me engole,
Cruel e estérilSeus raios me arruínam.
Ou quem sabe a peguei.
.
Eu a deixo fugir, fugir
Magra e minguante, como depois de uma cirurgia radical.
Seus pesadelos me enfeitam e me possuem.
.Dentro de mim mora um grito.
De noite ele sai com suas garras, à caça
De algo para amar.
.Sou torturada por essa coisa negra
Que dorme em mim;
O dia inteiro sinto seu roçar leve e macio, sua maldade.
.Nuvens passam e se dissipam.
São estas as faces do amor, pálidas, irrecuperáveis?
Foi pra isso que atormentei meu coração?
.Não consigo compreender além.
E o que é isso agora, essa cara
Assassina com seus galhos sufocantes? -
.
O beijo traiçoeiro da serpente.
Petrifica o desejo. Esses são os erros, solitários e lentos,
Que matam, matam, matam.


Sylvia Plath





Um comentário:

Djabal disse...

Sylvia faz questão de acender como um clarão de magnésio em noite escura o grito que existe denro dela.
Com isso, cada um - repentinamente - descobre aquele que morava lá dentro e só gemia, murmurava, com vergonha de sair.
A diferença que nós dois, leitor e autor, não colocamos a mão no ombro alheio e saímos sorrindo felizes e esperançosos. É mais, muito mais que isso.
Beijos, menina.
E aquela coisa toda.