julho 18, 2010

Um Nome de Canção


quero ser em ti
o que nunca pensei ser em alguém
desvendar tua alma, deixá-la num canto e buscar teu cheiro em abraços tímidos,
teu sabor de língua e chocolate,
tua maciez imaginada em noites que se foram assim vazias e agora não mais.
quero que sejas em mim
a promessa de eternidade
a música suave que leva os pares de borboletas a dançar pelos veludos das folhas incautas
quero que vibre na ponta dos meus dedos,
cada sentido teu além dos 6 que existem em toda mulher.
quero você em mim,
menina, mulher
mãe, filha, amante
o que seja
apenas quero que em nós, vinguem os sentires dramáticos
dos poemas ainda não escritos e quem sabe serão
em tua pele, com os cílios meus a tatuar cada verso
deste amor que não se sabe
não se explica
nem se vê, além das íris do teu olhar
que vez por outra que nem agora, pousa no meu, assim cheio de vontades que nem me atrevo
a traduzir.

albanegromonte

11 comentários:

Andalando... disse...

Tão assim romantico...

Lady Cronopio disse...

Obrigada, Lalinha, pelo olhar sempre amigo sobre meus versos...

Liginha Freire disse...

Viajei em cada detalhe...cada verso...

Lady Cronopio disse...

essa era a idéia, Lígia.

Liginha Freire disse...

Ótima ideia,então...

Liginha Freire disse...

Ah!Alba!
Excelente ideia!

Liginha Freire disse...

Pela 56ª...só hoje!

Liginha Freire disse...

57ª...rs!

Liginha Freire disse...

Vim ler de novo...só pra não perder o costume...

Lady Cronopio disse...

Venha sempre que quiser.
A casa é sua!

Liginha Freire disse...

Ok...então...tô vindo...