junho 05, 2010

A Sereia Das Pernas Tortas





Era uma vez uma mulher que tão depressa era feia como era bonita.
Quando era bonita, as pessoas diziam-lhe:
-Eu amo-te.
E iam com ela para a cama e para a mesa.
Quando era feia, as mesmas pessoas diziam-lhe:
-Não gosto de ti.
E atiravam-lhe com caroços de azeitona à cabeça.
A mulher pediu a Deus:
-Faz-me ou bonita ou feia de uma vez por todas e para sempre.
Então Deus fê-la feia.
A mulher chorou muito porque estava sempre a apanhar com caroços de azeitona e a ouvir coisas feias. Só os animais gostavam dela, tanto quando era bonita como quando era feia, como agora que era sempre feia. Mas o amor dos animais não lhe chegava. Por isso deitou-se a um poço. No poço, estava um peixe que comeu a mulher de um trago só, sem a mastigar.
Logo a seguir passou pelo poço o criado do rei, que pescou o peixe.
Na cozinha do palácio as criadas, a arranjarem o peixe, descobriram a mulher dentro do peixe. Como o peixe comeu a mulher mal a mulher se matou e o criado pescou o peixe mal o peixe comeu a mulher e as criadas abriram o peixe mal o peixe foi pescado pelo criado, a mulher não morreu e o peixe morreu.
As criadas e o rei eram muito bonitos. E a mulher ali era tão feia que não era feia. Por isso quando os criados foram chamar o rei e o rei entrou na cozinha e viu a mulher, o rei apaixonou-se pela mulher.
-Será uma sereia?- perguntaram em coro as criadas ao rei.
- Não, não é uma sereia porque tem as duas pernas, muito tortas, uma mais curta que a outra. - respondeu o rei às criadas.
E o rei convidou a mulher para jantar.
Ao jantar, o rei e a mulher comeram o peixe. O rei disse à mulher quando as criadas foram embora:
- Eu amo-te.
Quando o rei disse isto, sorriu à mulher e atirou-lhe com uma azeitona inteira à cabeça. A mulher apanhou a azeitona e comeu-a. Mas, antes de comer a azeitona, a mulher disse ao rei:
- Eu amo-te.
Depois comeu a azeitona. E casaram logo a seguir no tapete de Arraiolos da casa de jantar.

Adília Lopes in, A Bela Acordada de Obra, Lisboa, 1997 Portugal

2 comentários:

Djabal disse...

"São , assim, as raízes das oliveiras gêmeas, que produzem as olivas e o óleo do esperma procriador. São também os dois candelabros que se vêem diante do senhor da Terra, Adonai. Pois eles dão as duas formas alternadas da consciência elementar, nossa consciência diurna e nossa consciência noturna, aquilo que somos nas profundezas da noite e aquele ser muito diferente que somos na luminosidade do dia. O homem é uma criatura de consciência dupla e ciumenta, e os gêmeos são testemunhas ciumentas desta dualidade. Fisiologicamente, no mesmo significado, são eles que mantem separadas as duas correntes de água e de sangue em nossos corpos, se a água e o sangue se misturassem dentro de nós, morrerríamos, as duas correntes são mantidas afastadas pelo pequeninos , os rivais. E é destas correntes que depende a consciência dupla."

Amei tanto da sua história que me senti no direito de associá-la à do Apocalipse, copiando o comentário do D.H.Lawrence. Especialista em amor e amar. Ele amplia os significados e nos faz voar. Perdoe-me a intromissão. Beijos e a.c.t.

Lady Cronopio disse...

ah, mas o que seria deste cantinho, sem suas palavras?
beijos!