dezembro 24, 2008

Natal de Cronopio


A vocês, que me visitam, um poema que diz o que eu gostaria.
Feliz natal aos 6!


Fim de ano

Nem o pormenor simbólico
de substituir um dois por um três
nem essa vã metáfora
que convoca um lapso que morre e outro que surge,
nem o cumprimento de um processo astronómico
atordoam ou minam
o planalto desta noite
e obrigam-nos a esperar
as doze irreparáveis badaladas.
A causa verdadeira
é a suspeita geral e confusa
do enigma do Tempo;
é o assombro em face do milagre
de que apesar de todos os acasos,
de que apesar de sermos
as gotas do rio de Heraclito,
perdure em nós alguma coisa:
imóvel.

Jorge Luís Borges

4 comentários:

Kovacs disse...

Feliz Natal e um excelente 2009 é o que desejo sinceramente para você e toda a sua família! Muitas postagens e poemas no próximo ano!

Lady Cronopio disse...

Para você e sua família linda, um Feliz Natal e muitas alegrias em 2009!
Poesias&Prosas para todos nós, que tanto amamos a Çiteratura

Djabal disse...

E algo perdura em nós imóvel: a amizade, a sincronia musical.
E vai embalada nos meus votos de outro ano bom. Mais um e mais um, até atingir o Heráclito original da poesia e dos nossos sentimentos.
Beijos.

Lady Cronopio disse...

Djabal!
A você também, toda aquela coisa no ano que vem.
Beijos
PS: gostei do "Heráclito" original